Apaixone-se: NX Zero

O grupo NX Zero tem 10 anos de carreira.
Seu som é um pop/rock, as letras são incrivelmente belas e são interpretadas -por na minha opinião- dois dos melhores cantores brasileiros dos últimos tempo, Di Ferrero e Gee Rocha.
Na apresentação da última música do projeto comemorativo de 10 anos - "Multishow Ao Vivo – NXZero 10 Anos", que o Multishow exibiu com exclusivdade dia 23 de agosto, às 19h - o vocalista Di Ferrero anuncia: "As coisas passam muito rapidamente. Lembro que até outro dia a gente estava no Hangar (110, casa de shows de punk e rock tradicional de São Paulo), tocando com outras bandas, eu ia lá vender camiseta depois dos shows. Tinha lá umas 15, 20 pessoas, que eram nosso público. E agora estamos aqui, e é o dia mais feliz de minha vida". Na sequência o grupo toca "Razões e Emoções", o primeiro sucesso estrondoso do NXZero, do disco homônimo de 2006.
De lá para cá, uma carreira que pode ser resumida em números impressionantes – VMBs, principal prêmio da MTV? Eles abocanharam sete. Prêmio Multishow de Música Brasileira? Cinco. Centenas de milhares de cópias de seus quatro CDs por gravadoras e quatro DVDs? Bingo. Grammy? Sim.
Mas não é isso que fica para os músicos quando começam a falar dessa primeira década de carreira deles. "Quero tocar até o fim da vida com o NXZero. Posso dizer que os momentos mais felizes da minha vida são quando os cinco se encontram", afirma o guitarrista Gee Rocha. Apesar de dispensarem apresentação, é elegante nomear os outros quatro: Di Ferrero (vocalista), Dani Weksler (bateria), Caco Grandino (baixo) e Fi Duarte (guitarra). Pergunto ao guitarrista qual ele considera o momento mais importante do grupo nesses 10 anos. "Quando assinamos com o Rick (Bonadio, produtor e dono do Midas Music e Arsenal Eventos, em 2005), nossa vida mudou. Expandir o nosso som para o Brasil inteiro fez toda diferença", conta o guitarrista.
FotoA diferença é do primeiro disco, "Diálogo", de 2004, independente, e o trabalho que leva o nome da banda, de 2006, que trouxe os sucessos "Além de Mim" e "Razões e Emoções". Na esteira, além dos prêmios já citados, o título de melhor grupo de 2007 do programa Domingão do Faustão.
O ano seguinte foi embalado pelo disco "Agora", que teve outros sucessos mega, como "Cedo ou Tarde", composta por Di e Gee para o pai do último, falecido durante assalto quando ele ainda era garoto.
Nos anos seguintes, outros dois trabalhos, "Sete Chaves" (2009) e "Projeto Paralelo" (2010). Este último deu uma guinada no som da banda, quando ousaram misturar o rock que os projetou à eletrônica e música negra, com convidados como Emicida, Rincón Sapiência, Chorão, Rappin Hood, Kamau, Negra Li, Xis, Marcelo D2, Mi (Glória) e Gabriel o Pensador. Além de gringos como Smoke Thugs, Aggro Santos, Freddy Gibbs, Kurupt, YoYo, Divinity Roxx e Smoke. Sem contar P.MC, Flora Matos, Freddie Gibs, Kamau, Marcelinho, DJ King, Smoke, Strong Arm e DJ Asma.
FotoA chave de ouro da primeira década da banda é o registro ao vivo para Multishow "Multishow ao Vivo - NXZero 10 Anos", que faz par nas prateleiras de DVD com os registros de "MTV ao Vivo – 5 Bandas de Rock" (2007), "62 Mil Horas Até Aqui" (2008) e os registros em vídeo dos discos de 2009 e 2010.
Agora pense que tudo isso aconteceu, basicamente, em seis desses 10 anos e a única conclusão é que estes foram vividos a 200 km/h.
"A gente se abraçou antes de entrar no palco (na noite de gravação do DVD comemorativo de 10 anos) e foi um dos momentos mais difíceis da nossa trajetória. Foi muito difícil subir ao palco. Passou tudo pela minha cabeça, quando entramos para uma gravadora, os momentos complicados, tudo", conta Gee.
"Mas sei que quando tivermos nossos 50, 60 anos, vamos olhar para esse DVD e para esses anos e vamos ter muito orgulho da família que montamos. Não só os cinco da banda, mas a equipe toda, todo mundo que trabalha com a gente, os amigos e os fãs." Nem cedo nem tarde, Gee, Di, Dani, Fi e Caco. Os 14 parágrafos anteriores dão mais que motivos para orgulho imediato.
FotoFoto
Em 10 anos de carreira, o NXZero já subiu ao palco mais de 1000 vezes. Curiosamente, a primeira vez que eles se viram tocando pra valer foi ao assistirem este "Multishow Ao Vivo – NXZero 10 Anos". A reação deles ao se depararem com o reflexo dos cinco no palco está nos extras do DVD. E o guitarrista Gee Rocha traduz bem o que foi para eles a experiência: "Foram seis meses de preparação até o dia. Nós entramos no palco como se fosse o último show de nossas vidas. E, quer saber? A gente botou pra f$%#!". Gee tem razão. Não cabe falsa modéstia no registro. Quem acompanha a carreira do quinteto, ao menos desde o primeiro disco, ainda independente, em 2004, sentirá que o timing foi perfeito. E mesmo se baixasse um alienígena e a primeira experiência de ouvir/assistir a banda fosse essa gravação, notaria que o timing foi perfeito. E o Multishow exibe o resultado com exclusividade no especial "Multishow ao Vivo – NXZero 10 anos" dia 23 de agosto, às 19h. Logo em seguida, a partir do dia 24, o CD e DVD já estarão disponíveis nas lojas pela Universal Music / Arsenal Music.
"Parece até que os fãs ensaiaram para o DVD junto conosco. Todo mundo estava ali com a mesma energia para registrar aquele momento, gravar um DVD, CD e um especial de TV", completa o guitarrista sobre a noite de 14 de maio na Via Funchal, em São Paulo. A energia vaza pela tela e é possível sentir a vibração no ar desde os primeiros segundos de imagem. "Só Rezo" surge pesada e potente, e a entrada do primeiro convidado da noite, o rapper Emicida, de terno e gravata, ativa o big bang do rap com rock com peso e rima. "Além de mim" vem na sequência e é cantada em uníssono, e a Via Funchal vira arena com explosões de fogo no telão (projeções que mereceriam capítulo à parte) na versão encharcada de peso de "Inimigo Invisível" e trabalho de guitarras que igualmente mereceria capítulo extra.
FotoO vocalista Di Ferreiro brinca com o alcance da própria voz em "Daqui pra Frente" e cede lugar para o público conduzi-la aos gritos. Mesma dinâmica de "Onde Estiver", que segue em violão e vocal dividido entre os milhares de fãs, e "Confidencial", a próxima. Daniel Weksler pisa no acelerador do kit de bateria em "Finja Esquecer" e um hardcore com duelo de riffs de Gee com Fi Duarte dá uma guinada de velocidade no talo. O som de guitarra torna-se aberto e preenche o ambiente na ensolarada "Essa eu Fiz para Esquecer". "Todo mundo tem uma melhor parte dentro de si, e esta é a hora de colocar pra fora", convoca o vocalista Di antes de "A Melhor Parte de Mim", power baladona com a companhia de Eric Silver no violão.
Silver assume o violino na canção seguinte, a bela "Cedo ou Tarde", que ganha reforço de Rick Bonadio no piano.
Uma descida na montanha-russa que se tornou o show com a aceleração em "Zerar e Recomeçar", e piano e violino mais uma vez dão o tom na balada com toques épicos "Mais Além", que flerta com um clima mezzo Muse e pitadas de Queen.
"Cartas para Você" segue com piano, violino e violão, e duas das principais figuras da música negra brasileira compõem um septeto em "O Destino", Rappin Hood e Negra Li. A canção do recente Projeto Paralelo do grupo fica ainda mais eletrizante ao vivo.
"Insubstituível" retorna o NX ao trilho de origem puro, com guitarras pesadas, bateria e baixo vigorosos, riff, vocal de Di que costura as frases dos instrumentos e Gee encorpando a segunda voz. O show ganha novo pisão no acelerador em "Não é Normal" e um sample suingado de bateria dá a dica do próximo convidado, o elegante Rincón Sapiência, que faz parte do NX em "Tarde pra Desistir".
A reta final do show é um festival de explosões em sequência. A primeira vem com "Pela Última Vez", que os fãs levam no gogó, mesmo após hora e meia de gargantas testadas. Tulio Dek entra pra arrematar a segunda parte da emenda de "Bem ou Mal/Além das Palavras", e Di diz que é o dia mais feliz dos integrantes antes da balada "Espero Minha Vez", que ganha mais uma vez o reforço do piano de Rick Bonadio.
E aí simplesmente entra "Razões e Emoções", que arremata a apresentação como um gol de placa aos 45 minutos do segundo tempo. Ah, sim, tem making of no DVD, que acompanha a reação dos cinco integrantes logo depois de eles assistirem pela primeira vez ao show etcétera e tal. Mas o que vale é a palavra de Gee quando pergunto o que ele acha que serão os próximos passos do grupo: "A gente veio pra ficar, para fazer história na música brasileira. Custe o que custar". Espera aí. Existia alguma dúvida disso? - Site Oficial da Banda

As músicas desta banda incrível embalaram e embalam momentos específicos da vida de muitas pessoas, assim como da minha.
Sou fã de todos eles, cada integrante desta banda é incrível.
Se quiser conhecer (ou escutá-las novamente) as músicas é só clicar aqui e aqui.
Veja minhas músicas preferidas desta banda sensacional.

Gostou da postagem? Já conhecia esta banda? Gosta deles? Comente!
- @paulafonseeca

2 comentários:

Meia Noite e Quinze disse...

Já gostei bastante dessa banda, mas hoje em dia não tenho mais nenhum interesse em ver ou ouvir. Beijo.
Fernanda.
http://www.meianoiteequinze.tk

G.Cogumelo disse...

Oi querida, já respondi as perguntinhas da entrevista, ja mandei por email!

Outra coisa que eu queria divulgar é que o meu blog está com 2 vagas para a nova equipe!
Quem se interessar é só se inscrever por esse link:

http://sweetgirlfriendblog.blogspot.com.br/2011/09/vagas-abertas-para-equipe.html

Beeeeijos e Obrigada